Ontem o mundo perdeu Steve Jobs, que faleceu aos 56 anos após uma longa luta contra um câncer de pâncreas. Mas para explicar um pouco da importância do homem que definiu a cara de toda uma geração, nós temos que falar um pouco também sobre o período em que vivemos, a chamada “Revolução Digital”.

Hoje em dia as pessoas têm o mundo da comunicação em suas mãos. Todo conteúdo pode ser criado, divulgado, espalhado… Com as redes sociais fora dos desktops e em aparelhos portáteis, o usuário tem bastante liberdade para criar a sua própria revolução – que diga o povo do Egito, que derrubou o ditador Mubarak a partir da revolução das redes.

Ao invés de ser tratada como uma mercadoria, a informação torna-se algo que deve ser compartilhado a todo momento. Nos dias de hoje, o leitor tem maior autonomia do que outrora para produzir seu próprio material noticioso, e com um equipamento em mãos a todo instante, compartilhar é muito fácil.

O que vemos também é um novo modelo de comunicação interpessoal. O leitor não é mais só a notícia, o leitor faz a notícia, cobrindo o vácuo deixado pela mídia tradicional. As redes se tornam um local onde o espectador pode “assistir” tudo o que está acontecendo no mundo.

Uma pesquisa recente da Sinditelebrasil confirma que o número de usuários da tecnologia 3G no Brasil, o país que mais cresce atualmente no que diz respeito à navegação móvel, já é maior do que o de usuários da internet banda larga. Além disso, este número cresceu muito: de 8,7 milhões de usuários em 2009, o país saltou para 20,6 milhões de usuários da tecnologia no final de 2010. No mundo, mais de 1 bilhão de pessoas acessam internet pelo celular, diz um estudo do Google.

Logo, Steve Jobs, sem sombra de dúvidas, foi o personagem mais marcante. Pai do iPhone, revolucionário ao apresentar o tablet iPad, Jobs colocou a tecnologia nas mãos do consumidor final, aproximando homem e máquina, criando uma relação quase que fraternal entre essas duas criaturas.

O iPhone foi o primeiro aparelho a ter um sistema de navegação preciso pela internet, abrindo portas para os concorrentes no mercado inovarem e oferecerem diversas opções para seu público-alvo. Nos dias de hoje o Android, sistema de navegação do Google presente na maioria dos smartphones concorrentes, também é bastante forte no mercado, mas seu sucesso se deve ao conceito criado por Jobs.

O conceito que agora faz parte da vida das pessoas teve grande influência na internet e nas mídias sociais. Os dispositivos móveis possibilitaram novos tipos de mídias sociais e evoluções que podemos ver em nosso dia-a-dia, como a geolocalização, o novo open graph do facebook, as notícias em tempo real do twitter, etc. Se não tivéssemos a possibilidade de nos conectar 24 horas por dia de qualquer lugar, a internet não teria todo esse espaço para inovar. Por isso, a tendência disseminada por Jobs abriu infinitas possibilidades para a web e para o mundo da tecnologia.

Esse é o legado que Steve Jobs deixa, desde o computador pessoal até o tablet, sua influência mudou nossos hábitos, preferências e cotidiano. Ele foi um grande visionário que procurou popularizar o que não acessível a massa, revolucionado o mercado tecnológico, musical, cinematográfico e também a internet. O que podemos esperar é ele seja uma inspiração para continuarmos a revolucionar a tecnologia, a mídia e a vida das pessoas.

Steve Jobs – 1955 – 2011