Lembra dos cadernos de perguntas que as pessoas costumavam fazer e trocar entre os amigos, onde eram questionadas coisas que faziam a pessoa que o preenchia refletir por um bom tempo? Algumas pessoas possuíam cadernos com 10 perguntas, outras com mais de 100. E era sempre divertido ler o que foi escrito sobre a vida de cada um – quem mantém o seu guardado em casa possui um livro de memórias bastante interessante.

E é exatamente a partir do conceito de livro de memórias que surgiu o Proust. Funcionando em uma maneira semelhante ao Formspring (você recebe perguntas e as responde), a ideia é fazer com que você mexa no baú e se lembre de coisas que pensava ter esquecido. Mas diferentemente da rede social que fez bastante sucesso entre 2009 e 2010, o Proust traz perguntas prontas ou feitas por aqueles que têm acesso ao seu perfil divididas por categorias, e você vai respondendo e montando seu arquivo da maneira que bem entender.

Conectado com o Facebook, o Proust permite que você compartilhe seu livro de memórias com as pessoas que você desejar, ou ainda que ele fique público para que todos possam ver aquilo que você escreveu – o que é a ideia dos cadernos de pergunta tradicionais, aliás. E o melhor é que você pode adicionar fotos, datas e até mesmo pessoas em suas respostas, o que torna a experiência ainda mais legal. O propósito é fazer uma viagem e descobrir quem nós realmente somos.

Assista aqui ao vídeo de apresentação da rede: